palapacs /

oblit, a pedra no cio

Bem-vindos(as) a um puxadinho do universo criativo palapacs. Aqui nesta página você vai encontrar links para a maçaroca de textos que formam a obra aberta do autor, além de outras pedras disponibilizadas pra quem se interessar por esta viagem. O autor em questão (que muda o nome a todo momento) é Paulo Conceição Rocha, mas poderia ser Paulo Maçaroca, Pab Crosso ou Zé de Cá, entre tantos. As pedras são o único elemento que ele gosta de brincar... umas vivem pulando pra cima e pra baixo, outras estão em brasa. Nem sólido, nem líquido, nem gasoso, Paulo Pab Crosso só enterra nos ostroglotes coisas em estado mnemônico. Porque a melhor forma de fugir da matéria é deixar de pensar nela. E então? És capaz ou escaparás?

Em parceria com a editora Taipa, dentro da estação palapacs todos esses autores (que é um só) produzem uma revista experimental: "oblit, a pedra no cio". E se uma obra periódica de literatura pudesse misturar informações gerais sobre uma certa produtora artística (esta própria estação palapacs), duas histórias originais narradas com fragmentos poéticos, diversos devaneios pessoais e, como se não bastasse, as entranhas caóticas de todo esse processo criativo? Eis a proposta da oblit, uma revista de poesia que tenta trazer o cruzamento de linguagens como puro espanto. Porque só a arte tem o poder de ordenar o caos... e vice-versa.

A oblit está dividida em duas histórias:

Lixa Ferro conta a saga de Lito, caboclo magrelo que deixou o sertão do Mar Antigo para viver a pós-humanidade no Contracu do Conde.

Já fractal p&p. descreve a trajetória de uma neurocientista que começa a se por em dúvida se está hipnotizando ou sendo hipnotizada pela paciente do quarto ao lado. Há muito mais história do que este inocente jogo de sentidos, claro. Tanto fractal quanto Lixa Ferro acabam se entrelaçando, tudo resumido ao dia que o menino Lito se deparou com o buracão, soltou um grito e começou a interagir com o eco. Liberdade é cavar de um buraco para o outro, pensou ter ouvido! Foi quando decidiu criar o Encontro de Corais de Ouricuri, outro nome para o Mar Antigo. O que era gente vira bicho. O que era velho vira novo. Vice-versa, enquanto catava cocos secos, responde ao menino. E o que um dia será ainda escutado já desanda a perecer, antes de existir, porque os ostroglotes não deixam nada escapar de seus baldaretes.

oblit

Lixa Ferro

fractal, p&p.

ligações externas - palapacs

plataforma

projetos

informações básicas

contracapa

agradecimentos

orelha

contatos

plataforma

[voltar para índice]

Neste ambiente é possível navegar por outras tantas experiências do autor. Há um repositório de obras e mais detalhes sobre a estação palapacs.

entrar 

-- silabinhas

-- filofonias

-- craftê

projetos

[voltar para índice]

Para conhecer mais sobre projetos apoiados, compartilhados ou desenvolvidos pela palapacs, é só seguir o link.

entrar 

-- cia. dellarocca

-- Baba TEO

contracapa

[voltar para índice]

asa pra cobra e cobra pra asa    

casa com obra e obra com casa    

tudo está em perfeito equilíbrio    

até a navalha cortar o pescoço do nada novamente    

“para corda bamba, chão de gelatina”

agradecimentos

[voltar para índice]

Aos mestres, aos loucos e à família. Agradecimentos especiais para Agnaldo (por ver em mim um potencial que eu desconhecia), Rodolfo (por me provocar e aceitar a provocação) e meus pais (por me darem suporte de todo tipo nessa estranha empreitada). Aos amigos, representados aqui por Lucas (parceiro de vida e arte), Vítor (escrevedor de mão cheia que tanto me clareou os caminhos), Loro (sobretudo pelo olhar sempre espontâneo e generoso) e os invisíveis (desde os jogadores de futebol da imaginação até os personagens dessas histórias que não canso de inventar). E ao amor,  minha companheira Lorena, ela que além de me estimular a seguir remando contribui a cada dia para eu ser uma pessoa melhor. É preciso bravura pra encarar o desafio, reconheço. Mas Filó é a pessoa mais corajosa que conheci. Obrigado, meu bem.

orelha

[voltar para índice]

FICHA

nome atual: Paulo Maçaroca

nome verdadeiro: Paulo Conceição Rocha

de quando: 19/09/1977

de onde: Salvador, Bahia, de perto do mar, de longe do marasmo

HETERÔNIMOS MAIS USADOS

  • Pab Crosso

  • Paulo Maçaroca

  • Zé de Cá

  • Paulo Roberto Minskin

  • Paulo Roberto Luz Conceição Teles da Rocha

  • Pequenino Sez

  • Paulo J. de Afonsinho

  • Paulo-Paulo

  • Paulo Conceição da Rocha

  • Pou Cerebeta

  • Mathias Peñaranda

  • Pepê Stronzocalcolo

CARDÁPIO DOS OFÍCIOS FUNDAMENTAIS

  • Técnicas, linguagens e alguns serviços úteis: edição, revisão, programação, planejamento.

  • Serviços inúteis: comunicação, charlapraxia.

  • Expressões artísticas: música, literatura, programação visual, diagramação.

BREVE CURRÍCULO

Antes era compositor de canções, depois de coisas experimentais. Estudou música com Agnaldo Ribeiro na Escola de Música da Bahia até 2003, quando ingressou no mercado profissional e passou a produzir uma grande diversidade de obras artísticas, com destaque para o disco-livro infantil Viva Cartilha (2005), além de eventos culturais, grupos e edições literárias. É em 2006 que passa a trabalhar mais frequentemente com literatura, tendo fundado a editora Cispoesia, o pontapé inicial para outros inúmeros trabalhos multidisciplinares, arriscando formatos e buscando provocações de linguagem, sempre levando o mundo das palavras como protagonista em suas experimentações.

contatos

[voltar para índice]

paulo.conceicao.rocha@gmail.com

beacons.ai/palapacs

@palapacs
 

 
 
 
 
 
 
 
DINA_timbre.png
baba_MARCA.png
TAIPA_logo_pb.jpg
pp_MARCA_PB.jpg
ferroada.png
fractal_TIMBRE.jpg